domingo, 11 de abril de 2010

HISTÓRIA DO PROFETA ELIAS - ELIAHU HANAVI






Um dia o profeta Eliahu permitiu ao Rabi Joshua ben Levi acompanhá-lo em suas andanças pelo mundo, com uma condição: não importava o quão estranhas pudessem parecer as ações do profeta, o Rabi não poderia pedir-lhe explicações. No momento em que isso acontecesse, os dois teriam que se separar.

O primeiro lugar no qual pararam foi em frente à uma modesta casa onde moravam um homem pobre e sua esposa. O único bem que possuíam era uma vaca que lhes dava o leite para sua sobrevivência. Ao ver os dois viajantes, o casal os convidou para seu lar. Ofereceram comida e bebida, além de um lugar confortável para dormir. No dia seguinte, após agradecer pela hospitalidade e se despedir do casal, o profeta rezou com fervor pedindo aos Céus a morte da vaca que possuíam. Antes mesmo que o profeta e o rabino saíssem da casa, o animal morreu. Rabi Joshua, chocado pela desgraça que havia se abatido sobre o hospitaleiro e bondoso casal, pensou: “Será que esta é a recompensa pela bondade e gentileza que este pobre homem teve conosco?” Mas não ousava interpelar o profeta, pois temia colocar um fim à viagem.

À noite chegaram à casa de um homem muito rico. Apesar de permitir que os dois passassem a noite sob seu teto, ele não os recebeu nem ofereceu comida ou bebida. Antes que lá chegassem o profeta e o rabino, ruíra uma das paredes da casa e o homem estava ansioso para que alguém a consertasse, o mais rápido possível. Quando o profeta Eliahu deixou a casa, rezou novamente aos Céus pedindo que o muro se erguesse sozinho, algo que aconteceu em seguida. Rabi Joshua estava cada vez mais perplexo, mas nada disse.

Os dois seguiram viagem novamente e chegaram à uma sinagoga maravilhosamente decorada. Mas, infelizmente, os fiéis não estavam à altura da construção, pois na hora que viram os dois peregrinos, não se mostraram nem um pouco generosos com os mesmos, não lhes oferecendo comida nem bebida. Na hora em que deixaram a cidade, o profeta expressou o desejo de que D’us transformasse todos os presentes em líderes. Novamente Rabi Joshua se calou, aturdido.

Na cidade seguinte foram recebidos calorosamente, com alimentos e refrescos. Todos os convidaram para descansar em suas casas. Desta vez, ao deixar a cidade, o profeta pediu a D’us que desse aos habitantes daquela cidade um único líder.

Rabi Joshua, então, não conseguiu mais se conter; já não entendia mais nada. Pediu a Eliahu ha-Navi explicações sobre suas estranhas ações. Ao se separarem, o profeta explicou a Rabi Joshua:

“Pedi que a vaca do pobre homem morresse, porque já havia sido decretada pelos Céus a morte da esposa daquele gentil homem e o Anjo da Morte já estava a caminho. Por isto pedi que o animal morresse no lugar da esposa. Assim só perderia as posses e não sua esposa

Quanto ao homem rico, havia um grande tesouro debaixo do muro caído, por isto pedi que o muro fosse logo erguido; assim o tesouro ficaria enterrado ainda por algum tempo. Pedi para que os fiéis da sinagoga tão pouco hospitaleiros tivessem muitos líderes porque, em um lugar assim, brigas são inevitáveis e não há prosperidade”. E concluiu Eliahu ha-Navi: “Para nossos gentis hóspedes pedi só um líder para guiar a cidade, porque o sucesso é garantido quando uma só pessoa coordena os projetos. Agora que você conseguiu ver que a Justiça Divina vai além das simples aparências e entendeu por que às vezes parece prosperar quem faz o mal e sofrer quem faz o bem, não seja tão apressado em julgar e esteja sempre ciente de que D’us é Justo”.

Um comentário:

su* disse...

sensacional .............
obrigada !

ECLIPSE E A ESCURIDÃO

Voce tem medo do escuro? normalmente temos, normalmente não desejamos situações de escuridão em nossas vidas. A kabbalah nos mostra at...