terça-feira, 21 de dezembro de 2010

A MULHER E A KABBALAH (parte I)


Muitas vezes parece que espiritualidade, kabbalah e mulher não combinam!! Ledo engano.. a nós mulheres foi dado tarefas espirituais de altíssimo nível.
Ganhamos nossa importância e papel principal, quando na oração da manha damos graça por ter sido feitas segunda vontade de D´us!! Somos criadoras, possuímos o sexto sentido, mergulhamos nas diferentes dimensões da vida...mas nos falta auto conhecimento, disciplina e merecimento!!! Nossa característica é o Corpo e dar corpo a tudo, mas precisamos entender está função e não ficarmos seduzidas pelo corpo.

Nossa caminhada física, emocional, mental e espiritual é diferente dos homens.
A mulher tem a capacidade de fazer o dobro do trabalho de um homem, num tempo menos e com menos esforço, por isto precisamos reconhecer que temos muita força espiritual, para nos desenvolver e desenvolver o mundo a nossa volta.
Precisamos aprender a ver para onde vamos!! Para mudar o mundo necessitamos mudar a nós mesmas primeiro.

A tarefa numero um de uma mulher, é dar um formato a tudo, significar, purificar, a casa, a família e a nós mesmas. Esta organização e pureza têm uma relação com a casa, com os alimentos e com o corpo. E este é o cuidar que a mulher deve desenvolver.

Quando a casa, a intimidade está organizada e limpa todo o resto se reflete a partir disto.

O caminho do sentido é o caminho da transcendência! Pois a mulher consegue ver longe e entre linhas. Sente o propósito de cada coisa, sente o oculto. Percebe a presença!

É a mulher que abraça, faz perceber os corpos, a presença, a existência. É ela que tem a função de controlar o impulso, dando sentido e significado. Por isto educamos!

Há uma presença Divina feminina – a Shechinah, que vem de Shechen (vizinho). D´us é nosso vizinho e tudo que está vizinho a nós é D´us, é receptivo, nos dá forma, é feminino!

Nenhum comentário:

ECLIPSE E A ESCURIDÃO

Voce tem medo do escuro? normalmente temos, normalmente não desejamos situações de escuridão em nossas vidas. A kabbalah nos mostra at...