sábado, 24 de setembro de 2016

TASHLICH....deixe ir



Largue...largue agora o que te mata! O que te sufoca!

Largue num rio, largue num lago, mas largue!

Em hebraico Largue é Tashlich, o nome de um ritual que é realizado cabalisticamente na beira de um local com água e peixes.

Sabe quando tu estás no fim, no ultimo fio de vida! Limitado(a) em tantas energias negativas?



O profeta Miquéias diz: "Que sejam levados (Tashlich) seus pecados para as profundezas do mar". Levados e lavados pela água.



Joguemos tudo na água, na água que contem peixes, usando o pão como símbolo do que não queremos.

Você deseja que suas orações cheguem aos céus? A as águas refletem o céu e a palavra água, maim está na palavra Céus ( Sha-maim). A água é a fonte maior, renovadora e purificadora da vida. Ela recicla, renova e transforma.

Utilizamos o pão, as migalhas, aquilo que sobra, mas que muitas vezes é o que faz a nossa vida, assim encontramos, muitas vezes a nossa vida, em migalhas!

O local com peixes, traz a esperança da reciclagem, os olhos que estão sempre alertas, atentos a tudo.

O Ritual nos conscientiza que devemos fazer desapegos, deixar ir embora as amarras, as doenças, aquilo que nos “grudamos”. Deixar ir é desfazer de uma identidade que não é tua, para que uma nova pessoa possa vir a ser. Há sempre algo novo surgindo, mas que tu só vai ver quando criar o espaço!

É preciso largar para receber (Cabala). É preciso aprender a não se apegar a nada para receber e ascender cada vez mais.

Diante da água observamos os céus, nossos limites vão muito mais além. Nos deparamos com nossa imagem, o mito Narciso, que encontra sua imagem refletida na agua. Será que somos realmente esta pessoa que aparece ali? Ou simplesmente o que vemos são pedaços do que desejamos ser. Migalhas que serão comidas e levadas pelos peixes. Migalhas do pão da vergonha. Nossos culpas, nosso não merecimento.

Deixe que a água lave e leve.

Deixe-se levar por um ritual que adentra os planos superiores atraves das migalhas - mundo das cascas, atraves da oração - o mundo da fromação, através da água o mundo da criação e os peixes que nos levam ao mundo divino.


domingo, 11 de setembro de 2016

NADA É ACASO....

Nos princípios cabalísticos a vida não possui coincidências e não acasos, a vida não é feita de um sistema aleatório, ela simplesmente tem repostas, tem porquês!
Tudo existe por que cumpre algum propósito, tudo nesta vida está interligado, tudo se conversa, nada é solto, tudo tem uma função, e é exatamente esta função que colocada cada coisa num espaço e tempo, ou seja, em lugar certo.

É esta simples visão da Kabbalah que traz a noção da existência do que chamamos D´us, IHVH. É o escritor e o sistema que interliga de forma amável e próspera à tudo. O que mantém e é o movimento, a troca constante, ou melhor...a Inteligência que mantém tudo.

Toda a existência possui um por que, tudo que nos acontece e irá acontecer tem um propósito.
Em nossos estudos  o que estamos buscando é adentrar o nível de consciência, onde iremos perceber esta realidade, sentir e muda-la.

É este novo sistema de percepção que nos traz o sentido da vida.

Vivemos hoje um processo de contração, como num nascimento, a luz nos permite trazer movimento ou nos leva à fazer o movimento, quando ainda estamos sem a noção do que o momento está pedindo. Muitas vezes ficamos em uma luta interna, entre o não movimento, agarrando-se nas condições e valores antigos e o novo. Precisamos vencer o medo, e agir com o prazer de que o novo tem um sabor melhor.


Nosso vazio de hoje pede que possamos nos preencher com todos os valores e “coisas” que são carregados de uma energia infinita. A alma, aos poucos está nos guiando, e mostrando que o sistema que estamos vivendo é um sistema de separação, fragmentação, morte. Por isto a crise...que é o espaço da transformação.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Mês de Teshuva

Neste ciclo lunar vivemos uma oportunidade única na cabala.
Mudar a nossa vida.
Mas pense em termos profundos, espirituais. Você mudar é mexer em suas entranhas, em seus códigos, em padrões que sua alma carrega e que como conseqüência causam sofrimentos em sua vida.

É preciso caminhar para a Teshuva.

Para a cabala a palavra Teshuva, que significa retorno para si, arrependimento, guarda muito mais do que um processo de consciência, mas um poder espiritual enorme.
Saber fazer na hora certa a Teshuva é entrar num sistema poderoso de transformação. E agora é o período correto.
Todo dia nas sinagogas ouvimos o toque do shofar. É como um chamado a este despertar. Mas muito mais, o toque do shofar, pelo seu poder de som, abre algo dentro de nosso peito, faz o que chamamos de cirurgia cabalística.
A meditação de olhar com sinceridade para dentro de si, é na verdade um poder de abrir um espaço para que estejas contigo mesmo(a). O que nos dia de hoje, não nos é muito comum.
Nossa falta de de tempo não nos permite entrar em contato com o nosso centro de poder. Nossas angustias não calam a boca, falam a nossos ouvidos sem parar, deixando a ansiedade tomar conta e a força da negatividade atuar o tempo todo em nós, através de nós ( isto é que é o desejo de receber para si).
Vestimos nosso mundo com máscaras de falsidades de desejos e agora é hora de limpar. Esta limpeza garante o despertar e a libertação das centelhas divinas, presas em nossas ações de orgulho e vaidade.

A Teshuva é um sistema que desperta em nós o poder de entregar-se, estar humilde perante as suas próprias atitudes, um olhar-se com os olhos da verdade. Aceitar para que possas despertar o poder de separar o joio do trigo e tornar tudo mais tranqüilo, útil e doce. Ela é uma grande faxina! Nos pede DESAPEGO. Largar o que não nos serve mais, mas que grudamos em nós. Por isto, ao falar-mos da humildade estamos falando de uma entrega, de abrir mão, o corpo, as células, a mente e o coração daquilo que te sustenta. Pense em você, pare de pensar nos outros. Pense no que está por detrás de cada dificuldade, nas atuitudes que você pode estar tendo que estão atraindo esta situação difícil.
Através da teshuva apaziguamos o corpo e a alma, buscamos através desta primeira etapa de unidade chegar mais próximos da Luz, da divindade.
Para tudo isto é necessário viver etapas, através de caminhos bem plantados e bem definidos. Isto por que o maior objetivo é viver aqui de forma feliz. Ninguém se torna religioso, ortodoxo sem primeiro iniciar um caminho de purificação de seus aspectos emocionais, de sua personalidade! Senão a religiosidade é apenas uma máscara da identidade. Uma necessidade de ser aceito pelo pai ou pela mãe. Uma forma de poder externo.

Caminho Natural da Vida
É muito comum comentarmos que o caminho espiritual é solitário. Existe uma parte deste caminho que é TEU, se você se sente solitário é por que não contatou D´us, ele é teu com D´us, com dimensões internas ricas e cheias de prazer. Enquanto que o caminho externo é sempre compartilhado com parcerias, familiares, amores...com a própria sociedade.

O caminho, amigos, não é solitário!!!!
E se está sendo, num sentido de solitário de sozinho e sofrido, por isto é por que ele está sendo o caminho errado.
A natureza da vida nos leva a Teshuva, ao retorno. Isto por que a base da vida foi o Exílio, a saída da fonte, da unidade, do centro, e nossa luta é saber voltar, lutando contra os inimigos que aparecem para que não se chegue nesta origem, na unidade maior.
É uma luta constante, que nos tornamos vencedores quando não desistimos dela.

Agora é a hora de abrirmos nosso tempo e espaço de nossa agenda para parar, pensar e fazer a Teshuva!

ECLIPSE E A ESCURIDÃO

Voce tem medo do escuro? normalmente temos, normalmente não desejamos situações de escuridão em nossas vidas. A kabbalah nos mostra at...