sábado, 19 de maio de 2012

Caos da vida!...nosso inimigo Stress..


Na correria do transito e da vida, mesmo que possamos cultivar uma vida mais tranquila em todos os sentidos, o barulho insiste em entrar. Não é fácil! Uma luta diária.

Mas os barulhos se confundem.

Mental emocional e físico 9externo) e espiritual.

É difícil  nos convencer que o barulho físico (externo)tem sua origem no barulho interno 9emcoional, mental e espiritual). E esta ultimo está é dentro de nós..

Isto não significa que você não tenha que procurar lugares e ambientes mais equilibrados, de maior paz de espírito! Ao contrário procure!!!

Investe neste espaço, nutra-se, cuide-se, reserve-se, para viver a vida dos barulhos de fora, e que estes barulhos sejam só os de fora!

(Quando estamos no silencio, na paz de espírito(paz de D´us) podemos perceber a vida completamente diferentes.

Precisamos criar espaços para nos manter inteiros, manter e conservar a qualidade de  vida e as conexões com o espiritual.

É importante manter o dialogo com a natureza, com cada acontecimento que se apresenta em nossa frente.

É simples!! Nada é por acaso!!

Caso você tenha pego um engarrafamento não é por acaso! Domine sua ansiedade, curta o momento, pois é isto que a vida te oferece agora, até você aprender a administrar os eu tempo.

Importante é não cultivar a queixa, a angustia, mas repensar o movimento.

Aceitação = Humildade.



Nosso maior defeito é querer controlar tudo, meditemos, então no código lamed, alef vav (aladiah), para destruir nosso maior inimigo, o ego, o desejo de controle.

Nilton Bonder, em seu livro o Sagrado versa sobre a necessidade que temos de aprender a não controlar, abrir o espaço para que D´us possa agir. Por isto é fundamental estar em sintonia com ele , com o universo. E assim ficarmos em paz.

Por isto  SHAL – OOOOMMMM

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Por que Estudar Kabbalah?


Quando uma pessoa comum estuda os escritos dos Kabbalistas, ela aprende sobre o que antes lhe era oculto. Somente após adquirir o sexto sentido através do estudo ela começa a ver e sentir o que antes não era revelado.

Kabbalistas não transmitem seu conhecimento sobre a estrutura do mundo superior, do mundo espiritual, sem uma razão. Encontra-se em seus escritos um fenômeno importante: a capacidade de desenvolver um sexto sentido é inerente a todas as pessoas.

Quando uma pessoa é exposta a materiais Kabbalisticos, ela pode de início não entender o que está lendo. Mas ela quer entender, e tenta fazer isso ao seu modo; ela invoca o que se chama a luz circundante, a luz que a corrige; gradualmente a realidade espiritual se mostra a ela. As expressões corrigir e correção são usadas em Kabbalah para descrever uma mudança no desejo de receber, isto é, a aquisição das qualidades do mundo espiritual e do Criador.

Todos têm esse sexto sentido ainda adormecido; ele é chamado o ponto no coração. Em oposição a ele está a luz, que ao final era preencher esse ponto, o sexto sentido, quando ele estiver desenvolvido.

O sexto sentido também é chamado o vaso espiritual (kli), e continua a existir mesmo sem realidade material. O vaso espiritual da pessoa comum não é suficientemente desenvolvido para sentir o mundo espiritual. Se ela estudar os escritos originais da Kabbalah do modo correto, essa luz brilha sobre o ponto no coração e começa a desenvolve-lo. O ponto então começa a alargar-se e expande-se suficientemente para permitir que a luz circundante o penetre. A entrada da luz nesse ponto dá à pessoa um sentimento espiritual. Esse ponto é a alma da pessoa.

Nada é possível sem ajuda do alto, sem que a luz circundante desça do alto e gradualmente ilumine o caminho de uma pessoa. Mesmo que não reconheçamos essa luz, há uma conexão direta entre o ponto no coração e a luz que deverá preenche-lo, como foi planejado pelo Alto. Estudar os livros de Kabbalah permite que a pessoa se conecte com a fonte da luz, e gradualmente passe a sentir um desejo por espiritualidade. Esse processo é chamado segulah (remédio).

O Rabbi Yehuda Ashlag escreveu na Introdução ao Estudo das Dez Sefirot: Por que os Kabbalistas instruíram todas as pessoas a estudar Kabbalah? Embora seja grande e valioso tornar público que há uma qualidade incomparavelmente maravilhosa em estudar a sabedoria da Kabbalah, mesmo que as pessoas não entendam o que estão estudando, o tremendo desejo de compreender o que estão estudando desperta as luzes que cercam suas almas. Isso significa que está assegurada a qualquer pessoa a possibilidade de no final, atingir todos os
maravilhosos feitos que o Criador reservou para nós quando planejou a criação. Aqueles que não os atingirem nesta encarnação o farão em outra, até que a intenção do Criador seja preenchida.

Mesmo que uma pessoa não atinja sua plenitude, as luzes estão destinadas a serem dela; as luzes circundantes esperam que a pessoa prepare seu vaso para recebe-las.

Assim, mesmo quando não existem os vasos, quando uma pessoa penetra nessa sabedoria e chama pelos nomes as luzes e os vasos que estão esperando por elas e que lhes pertencem, essas luzes irão brilhar sobre ela, mesmo que apenas até um certo grau. Mas essas luzes não irão penetrar sua alma interior, até que os vasos estejam prontos para aceita-las. A Kabbalah é o único meio para criar um vaso para receber a luz do Criador.
A luz que a pessoa recebe quando penetra na sabedoria atrai encantamento celestial, bênção e abundância de santidade e pureza sobre ele, trazendo-a mais perto de atingir a plenitude.

A Kabbalah é especial pois dá à pessoa um sabor da espiritualidade enquanto ela está estudando, e desse experiência em diante, ela passa a preferir espiritualidade ao materialismo. Na proporção de sua espiritualidade ela clarifica sua vontade, e aprende a se distanciar das coisas pelas quais se atraía anteriormente, da mesma forma que um adulto deixa de se sentir atraído por brincadeiras infantis.
Por que precisamos da Kabbalah? Porque a Kabbalah nos foi dada como um trampolim para a mudança; para que possamos conhecer o Criador. Essas são as únicas razões pelas quais a Kabbalah foi dada. Quem quer que estude a Kabbalah com o objetivo de se modificar, de conhecer o Criador, alcança o estágio em que começa a ver que pode conseguir fazer isso, sem sofrimento.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Regime da alma

Como é bom Mudar, e como é bom saber que nem toda lesma leva seu caracol!
Mudar é encontrar um novo ponto de vitsa, e olhar tudo de foma diferente.
Um ar diferente, que areja a mente, que nos torna mais alma.
 
Leveza é tudo na vida!

E por falar em leveza, precismos entender o funcionamento de um sistema de energia que estamos envolvidos - chamado de desejo de querer para si, esta energia nos torna fechados, nada acontece, nada se troca, nada flui - e com isto, nada prospera, tudo pesa!

Por isto nosso movimento é libertar-se do peso!

Tem que fluir, acontecer, e para isto ficar leve é deixar entrar e sair, não guardar para si.

Onde será que a energia do desejo de querer para si nos pega?

Onde não deixamos fluir em certeza e fé? onde temos faltas? queixas? A leveza começa em ti!

Bem...ali não existe luz, pois a luz é certeza!, troca, fé, presença !!!


Confiar na vida é andar na luz...com a luz...estando na luz... mas para isto tu precisa da mente funcionando a teu favor e bem mais leve.
 
Viva a leveza em todos os sentidos...deixe a raiva ir, as mágoas...não pegue para si!
 

Você Confia?

No nosso dia-dia nos deparamos com diferentes situações, situações estas que nos provocam transformações.
Estas podem vir através da ação que devemos ter ou daquela parada para pensar, em algum assunto e rever todos os valores de nossas vidas.

Normalmente isto acontece nas relações, na área profissional... que são as áreas que mais nos ajudam a trazer estas transformações, ou correções.

Estas correções vividas aqui na terra nos pegam em nossos aspectos emocionais, que correspondem no plano metafísico (para a cabala) a estrutura (partzuf) de Zeir Anpin (a pequena face de D´us).

Ao corrigirmos em nós, estamos corrigindo em planos superiores que canalizam a luz que é trazida para este mundo.

Para fazermos qualquer movimento em nossas vidas, necessitamos conhecer mais sobre CONFIANÇA (Bitachon), SINCERIDADE (Temimut) e VERDADE (Emet). São 3 pilares que devemos nos preocupar em viver e compartilhar.

Isto é: você se preocupa em ser verdadeiro(a), sincero(a) e passar confiança para as pessoas?

O que é para ti a confiança? A verdade?

Ser sincero é entregar-se, mostrar as suas fragilidades? Suas fraquezas, e isto te diminui ou te coloca num lugar acima de qualquer coisa?

Vamos falar um pouco sobre isto!

Bitachon – Confiança

Confiança é uma palavra que fala em fiar junto, em dar uma parte de ti (fiança), para o outro.

Confiar tem relação com aquilo que toca em ti, é quando conseguimos nos comprometer com o nosso próprio poder.

Confiança é algo que tem energia, e você sente! Construída quando a verdade e a sinceridade andam juntas e desejam espaço de expressão, é quando não deixamos com que véus venham e tapem nossa mente, nosso coração, nossos olhos, nossas palavras. A confiança está acima do medo, das fantasias. É quando temos D´us como foco.

Perdemos esta qualidade dentro de nós ou deixamos de vivê-la quando nos afastamos de D´us, quando nosso foco não é mais D´us. Véus nublam nossa vida!

Confiança, Sinceridade (Temimut) e Verdade (Emet) se apresentam em 3 níveis:

temimut haratzon (sinceridade da vontade); temimut halev (sinceridade do coração); temimut hamaasé (sinceridade da ação). Isto é na vontade, no coração e na ação.

A sinceridade dança com a verdade uma música, juntas trazem a capacidade de ver a nossa doação (ver – dadeira), e sinceridade, tem relação com nossa capacidade de assumir a responsabilidade, sermos sérios com algo, adultos.

Sim, para adentrar estes três mundos é preciso responsabilidade por aquilo que nos chega, por aquilo que conquistamos, pois isto reflete o amor próprio, o merecimento que tanto desejamos ter para tudo.

Quando trabalhamos na Verdade, nos expressamos sem os impulsos do ego, do medo e da desconfiança. É na verdade que o potencial de realizar a nossa verdadeira função de se ligar a D´us, de criar o espaço para que Ele possa se manifestar.

Construir confiança, sinceridade e verdade mostram a nossa capacidade de entregar-se e ao mesmo tempo apropriar-se da vida! Por isto: refletem MERECIMENTO!


Pense nisso!

quarta-feira, 2 de maio de 2012

O abandono da coroa




E foi embora de mim aquela luz espiritual, a sensação de preenchimento, o amor, a felicidade gratuita..e pouco pude entender disto, foi só tormentas posteriores, sem compreensão, a vida me exigiu tanto. Queria desistir, mas nem isto consegui.

Da luz, agora me tornei um ser estranho, difícil, escuro.

A dor que vem do fundo da alma de quem foi abandonada pelo olhar divino, pelas bênçãos recebidas constantemente.

Sem perceber vou me tornando reativa, vivo de forma quase sem pensar, liguei o automático e fui...fui fazer o que todo mundo faz, separei-me da minha alma, ficou um espaço vazio..preenchido de queixas e infelicidades.



A Cabala compreende que cada alma passa por desafios para que possa fortalecer e despertar!

Grande parte dos potenciais da alma estão dormentes. E a cada dor, acordamos e despertamos partes que nem tínhamos ideia.



As tormentas e tempestades na verdade são resultado da mexida em nossas cascas. A transformação não é fácil! A consciência sempre muito egoísta precisa aprender a dar. E esta é a nossa correção nesta vida!

Nada que tu não tens ou teve te abandona. A felicidade é um estado de compartilhar, irradiar...sair de dentro para fora...e sem a luz, contraimos, nos fechamos.

Por isto, a dor,  o abandono tem a sua função....transformação!



O segredo está em como fazer a transformação.

ECLIPSE E A ESCURIDÃO

Voce tem medo do escuro? normalmente temos, normalmente não desejamos situações de escuridão em nossas vidas. A kabbalah nos mostra at...